quarta-feira, 16 de abril de 2008

Nota de Alta


Admissão no hospital: 08-04-2008
Alta 15-04.2008

MOTIVO DE ADMISSÃO
LES

RESUMO DA INVESTIGAÇÃO
Internada com os seguintes problemas:
#1. Síndrome Hemofagocítico adquirido
1.1 LES
1.1.1 Hemorragia alveolar
1.1.2 Miocardite
1.1.3 Nefrite lúpica classe IV


Doente internada recentemente neste serviço por pancitopenia e febre tendo tido alta com o diagnostico de síndrome hemofagocitico adquirido secundário a LES associado a hemorragia alveolar. Miocardite e nefrite lúpica classe IV com HTA e proteinura nefrotica. Sob corticoterapia 40 mg/dia prednisolona e ciclos de ciclofosfamida.
Face à suspeita de reacção alérgica ao 1º ciclo de ciclofosfamida, a doente foi presentemente internada programadamente para realização do 2º ciclo. À entrada com queixa de astenia. Objectivamente com mucosas descoradas, hemodinamicamente estável , AC S1 e S2 ritmico e sem sopros audíveis, AP com MV conservado e com crepitações escassas bibasais. Membros com edemas bimaleolares bilateralmente.
Analiticamente com pancitopenia(Hg 7.7 N/N, 2130 leucocitos, 1320 netrofilos, 12400 palquetas), função renal(creatina 1.0mg/dl, ureia 75mg/dl), sem alterações do ionograma e função hepática. Em comparação com analises prévias diminuição da proteinura 24h(5.14g/dia para 2.30g/dia), hipertrigliceridemia(241 mg/dl)e ferritinemia(763).
Ecocardiograma com insuficiência mitral e tricuspide ligeira, PSAP 27mmHg, dilatação ligeira da AE. Depressão ligeira da FSGVE. Derrame pericárdio de pequeno volume circunferencial. Pró BNP 18801. TAC torácico realizado para avaliação de hemorragia aveolar previa revelando persistência de discretas áreas em vidro despolido dispersas no segmento anterior do lobo superior esquerdo, língula e segmento apical e basal anterior do inferior esquerdo, traduzindo fenómeno de alveolite.
Durante o internamento foi transfundida com 2 unidades de glóbulos rubros e submetida a factores de crescimento medular durante 6 dias com boa resposta medular. Realizou ciclo de ciclofosfamida sem intercorrencias nomeadamente sem reacção dermatológica alérgica.
À data da alta assintomática com Hg 11.og/dl, 7510 neutrofilos e 82000 plaquetas. Função renal ureia 100mg/dl, creatinina 1.23mg/dl.

#2 aspergilose pulmonar
Doente com diagnóstico de aspergilose pumonar a 3/08 desde então sob terapêutica com voriconazol. A doente encontra-se assintomática a nível do aparelho respiratório. Sem insuficiência respiratória. Realizou TAC de controlo a 15/4 que demonstra estabilidade da consolidação subsegmentar do lobo médio, tendo ocorrido uma marca involução das consolidações do segmento posterior do lobo superior direito, actualmente aoenas aparebte ténue infiltrado em vidro despolido nesta tipografia, bem como do segmento basal posterior do lobo inferior esquerdo.

#3 FOP
Doente com foramen ovale patente condicionado discreto Shunt, apenas com manobra de valsalva. Discutido com cardiologia, não existindo indicações para encerramento do mesmo.

DIAGNOSTICOS
Síndrome hemofagocitico
LES
Hemorragia alveolar
Miocardite
Nefrite lúpica classe IV
Asperhilose pulmonar
FOP

TRATAMENTOS REALIZADOS
Lorazepam; omeprazol; prednisolona; setralina; carbonato de cálcio; calcitriol; losartan; voriconazol; dapsona; enoxaparina; amodipina; furosemida; G-CSF; mesna; ondasetron; ciclofosfamida; clemastina.

MONITORIZAÇOES E TRATAMENTOS
Lorazepam 2mg/deitar; omeprazol 20mg/manhã; prednisolona 30mg/manhã; sertralina 50mg/dia; losartan 100mg/dia; amlodipina 10/dia; furosemida 49mg/dia; calcium D(carbonato de cálcio e calcitriuol) 2 comp/dia; residronato de sódio 35mg/semana; voriconazol 200m 12/12h; dapsona 100mg/dia.

ORIENTAÇÃO
Aguarda contacto para internamento na próxima semana para realização 3º ciclo de ciclofosfamida.”



6 comentários:

Silvia Madureira disse...

Olá:

Lendo este excerto ...quem nada entende de medecina fica completamente baralhado.

No entanto, dá para entender que as coisas estão a decorrer normalmente e que se está a conseguir conquistar determinadas vitórias aos poucos.

beijo

Tony Madureira disse...

Olá,
Eu sei que é dificil a linguagem. Para não fazer tradução errada, decidi passar a nota de alta na integra.
Até para mim, que estive sempre acompanhar a evoluçao se torna muito dificil esta linguagem. Percebo quase tudo o que está descrito porque estive presente e sempre informado de tudo o que a Claudia fazia. mas como referi, resolvi colocar o original. até porque pode haver algum tecnico que leia o blogue, e aí é percebido na perfeição.

Beijo

Umabel disse...

Da minha experiência pessoal, sinto que até os proprios medicos por vezes se sentem perdidos com esta doença.

Uma das coisas que aconselho e que no caso que conheço é o que mais ajuda a estabilizar a doença, é equilibrar a parte emocional do paciente... e aqui a medicinal alternativa com o devido acompanhamento da medicina convencional tem resultados muito bons.

Beijo com carinho e muita luz!

Tony Madureira disse...

olá,

Obrigado pelo conselho! como pareces ser pessoa que conhece o lúpus, não nos queres retalar teu caso, e tua experiencia em pormenor.

Nosso e-mail: tonymadureira@kanguru.pt

Obrigado.

Tony Madureira

andreia disse...

olá. sou a andreia tenho 17 anos e soube que tinha les com 16. foi terrivel! foi muito mau dizerem a uma miuda de 16 anos que tinha uma doença "rara" e crónica. nunca tinha ouvido falar em lupus. fiquei um bocado naquela... nao sabia o que era.
andei cerca de 6 meses (antes de saber o meu diagnóstico) a fazer análises, exames. fiz uma cintigrafia ossea na faculdade de medicina, que acusou artrite reumatóide. entretanto fui a um professor reumatologista (médico privado) e ao observar-me disse-me que os meus sintomas nao correspondiam à tal cintigrafia. pediu-me para fazer alguns exames e em todas as cardenciais ele escreveu:"lupus?" entretanto piorei, as dores eram insuportáveis e eu quase que ja nao conseguia andar por causa do inchaço nos pés e joelhos. nunca me tinha visto assim. foi aí que começei a ter a verdadeira noçao de que estava doente. fiquei internada 11 dias em coimbra nos hospitais da universidade, e de facto o que eu tinha era mesmo lupus.
depois de saber o que tinha, custou-me mais suportar a ideia de que não poderia apanhar sol (ir à praia) e jogar futebol, duas das coisas que eu mais gostava de fazer. quanto ao facto de ter lupus, sim é mau, mas nao condiciona a minha vida, até porque como eu costumo dizer: eu tenho lupus mas o lupus nao me tem a mim!!!

beijinhos e coragem
se quiserem passem no meu blog
www.adias99.blogs.sapo.pt
e deixem o vosso testemunho!!!

Claudia Madureira disse...

Ola Andreia,

Desde ja agradeço o teu comentário.
Eu tenho uma nefrite lúpica.
Tambem comecei com dores nas artculaçoes das mãos ha quase um ano, fiz um tratamento com Lepicortinolo, tive duas gripes, uma infecção num pulmao, e uma infecção urinaria, para alem da anemia.
Também comecei a sentir-me bastante cansada e com febre.
Decidi ir ao meu medico de familia que me passou analises.
Analises essas cujos valores não estavam correctos.
Recebi telefonema do medico para me apresentar ao outro dia ( 27 de Fevereiro )e para ser internada no Hospital Sto Antonio no Porto.
Se pretenderes escrever o teu relato em promenor , agradecia.

Podes enviar por e-mail :
tonymadureira@kanguru.pt

Beijinhos