sábado, 12 de novembro de 2011

Assédio moral no ambiente de trabalho

Uma das situações mais preocupante é o desconhecimento, ignorância e preconceito relativamente à doença.

Não é à toa que as doenças auto imunes tanto assustam. Para o doente não é fácil entender que além de vitima é “autor” deste mecanismo de agressão. A medicina também tem alguma dificuldade em perceber a causa das doenças auto imunes, que não têm cura.

A incidência da doença tem aumentado. Fala-se que em todo o mundo poderá chegar aos 15 a 20% da população, a maioria das vitimas são mulheres.

Como dizia atrás. Há muito desconhecimento, e como todos sabem, desconhecimento gera preconceito. Era muito importante existir mais grupos de apoio. Havendo encontros, as pessoas conhecem outras histórias e aprendem a conviver melhor com a própria doença. Felizmente as portadoras de Lúpus são bastante solidárias e ajudam-se umas às outras. Todas trocam experiencias, historias, e situações. Na altura do diagnóstico da Claudia falei com algumas delas com quem ainda hoje temos forte ligação e são excelentes pessoas, grandes amigas. São pessoas excepcionais, conseguem ser optimistas, colaborantes, e sempre dispostas ajudar, quando eram elas que deveriam ser ajudadas. Tenho grande admiração por elas, são uma guerreiras!

A mim o que mais me desilude é situação do preconceito que gera muito desconforto e por vezes revolta, peço desculpa de estar a ser repetitivo, mas é urgente combater isto. Nesta doença existe o factor e aspecto psicológico. Todos os dias a paciente se confronta com uma serie de questões, desde reacções emocionais de amigos/ colegas de trabalho, ou do seu estado físico e emocional abalados.
As repercussões físicas do lúpus, como fadiga, ganho de peso, ou maior sensibilidade aos raios solares, podem disparar intensas reacções emocionais.
Ninguém entende o que é se sentir cansado.
Não importa o que faça ou quanto tempo durma, continua cansada.
Com dor,  rigidez e fadiga, como se sentem estas pessoas?
Muitas são obrigadas a ausentar-se do trabalho devido à doença, não contam a entidade patronal , têm medo de perder emprego, e as pessoas precisam dos empregos. Não transmitem a doença a “ninguém” por causa do preconceito. Sei de tantos casos…

As entidades empregadoras sugam tudo dos seu colaboradores e depois quando estão doentes e têm momentos mais frágeis, simplesmente descartam esse mesmo colaborador. Não importa o que já fez, o profissional que era, mas simplesmente o que é agora, um colaborador doente, ou seja, “um problema”!
Existe – a importância da consciência
O assedio moral é um risco invisível, mas muito concreto, no concerne às relações e condições de trabalho. Sei do que falo!

22 comentários:

Paula Ferreira disse...

Muito bem Tony....
Pena existirem poucos maridos compreensivos como tu, ou amigos e colegas trabalho.... e´ uma verdade, ninguem consegue imaginar o "nosso cansaço" as pessoas ja banalizaram tanto a palavra mas nem sabem o que isso e´, pensam que "uma noite sono" resolve o problema, quando para no´s a "noite de sono" ainda se torna uma pesadelo, um cansaço ainda maior ... (as vezes da-me vontade de rir quando ouço "ai! estou tao cansado/a" ,nem sabem o que isso e´) ... como tu conheço alguns (muitos) casos de "assedio moral" e nem precisar estar associado a nenhuma doença, as vezes basta ser um pouco mais debil e ficar algumas vezes por ano doente.... vivemos num mundo egoista, quando em diz "doi-me a cabeça" o outra diz logo "ai mim e´ que doi" ...alem claro da concorrencia das empresas ser cada vez maior, onde nao ha lugar "os debeis" ... esperemos que isto um dia mude, ate´ la´ .... marchar, marchar

Tony Madureira disse...

Olá Paula,
Obrigado pela tua activa colaboração. Tu és uma das pessoas que esteve sempre connosco. Muito obrigado pela tua presença.
Dentro do assédio moral no trabalho englobam-se atitudes de várias naturezas, levadas a cabo com o invariável intuito de deitar abaixo.
Por exemplo, não fornecer o necessário para realização das funções, não cumprimentar, delegar trabalhos que ficam aquém das competências da pessoa em causa, “promover” ou estimular a descriminação entre colegas, imputar rótulos do género “fraco”, “incompetente”, “incapaz”. Multiplicar burocracias, colocar colegas a supervisionar outros e espalhar boatos…
Convenhamos que existe “colegas” que até gostam e se disponibilizam para este “trabalho”. Também conheço alguns!

Lídia Cachetas disse...

Pois é meus amigos, desse problema talvez 80% dos lúpicos padecem, já não basta o sofrimento do dia-a-dia, por vezes evitar comentar algo que doí o que incomoda e ainda ter que suportar este tipo de comportamentos por quem lida com connosco... vamos aguardar o meu livro, Livro didáctico sobre Lúpus, esta demorado, mas garanto que vai ficar bem feito! eheheh... a ver se resolve problemas destes e muitos outros. Beijinhos para vcs todos e coragem :)

Tony Madureira disse...

Olá Lídia,
Sempre activa e presente.
Muito obrigado.
Todos somos poucos para combatermos estas (e outras) atitudes…
Tu estás a fazer um grande trabalho com o livro. Eu vou fazendo o que posso por aqui e por ali…

Jayne Lima disse...

Ola, o tema em questão é um tema que deveria ser mais vezes "debatido" .. descobri que sou doente lúpica a menos de um ano e ainda estou na fase de me mentalizar sobre tal . A cerca de 5 meses estive a trabalhar na área da restauração e a minha gerente tinha conhecimento da minha doença!como devem calcular andava muito cansada, vinha para casa e praticamente não me conseguia mexer de tão inchada que ficava e também das dores, um dia faltei porque não me estava mesmo a aguentar em pé e no dia a seguir quando regressei disse a minha gerente que tinha faltado porque estava super inchada e cheia de dores e sabem o que ela me respondeu ?!! "QUEM ME DERA A MIM ESTAR COM DORES E INCHADA SÓ PARA NÃO VIR TRABALHAR!" aquilo doeu-me tanto, mas tentei ignorar porque sei que ela não tem noção do que disse . na mesma semana despedi-me porque já não estava mesmo a aguentar e também pelo facto de ela ter um certo conhecimento da minha doença e simplesmente ignorar-me .

Assediados disse...

Conheça e faça parte do blog "Assediados".
Um espaço onde vítimas de assédio ou dano moral podem relatar suas histórias, compartilhar experiências, e buscar caminhos para tornar o ambiente de trabalho um espaço seguro, onde seres humanos sejam tratados com o respeito e a dignidade que merecem. Um espaço onde você estará recebendo sempre informações atualizadas sobre Assedio Moral no trabalho.

Tamara disse...

Hola Tony, eu sou de Chile e tenho Lupus desde janeiro de 2010. Eu sou jornalista e acho que tenho muita sorte no trabalho. No lugar donde trabalhaba nunca tive problema com minha doenca, sempre tive apoio de meus colegas e de meus chefes.
Na semana passada fui a uma entrevista de emprego e disse que eu tinha lupus, corriendo o risco do perder o trabalho, mas tudo saiu bem :) Eu escrivi sobre isso em meu blog, sobretudo porque sei que não é assim para todos e que há muito medo.
Muito obrigado por ajudar a informar sobre a doenca, abracos!!
(perdoa meu portugues... :/)
Tami

Tony Madureira disse...

Olá Jayne,

Como estás? Ainda está tudo muito “fresco”…
Obrigado pela tua participação. Eu já debati esta temática no blogue. Volto ao tema porque acho que cada vez mais é preciso denunciar,
És testemunha real desse fenómeno. Obrigado pelo teu testemunho.
Se entretanto achares por bem contar o relato do teu diagnóstico, já sabes, envia para o e-mail. Mais uma vez obrigado pelo teu contributo. Tudo de bom!

Beijinho

Tony Madureira disse...

Fui ver o blog “assediados”, que trabalho excelente. Está muito bom. Sublime!
Recomendo a sua visita e leitura a toda a gente!
Que feliz coincidência, assim que lancei a temática, dar com um blogue da “especialidade”, está lá tudo o sinto e quero dizer…
Acabei por levar um vídeo que achei muito esclarecedor para colocar aqui no blogue.
Obrigado pela vossa participação e presença aqui no blogue.

Tony Madureira disse...

Olá Tamara,

Obrigado pela tua visita e comentário.
Felizmente que não tens problemas com isso, mas como podes ver pelo testemunho da Jayne existe sim, e muito!
Por isso a minha preocupação em divulgar. O trabalho que faço é só de divulgação… esta á minha dedicação desde a criação do blogue.
Se achares por bem fazer o teu relato, envia para o e-mail.
Mais uma vez obrigado pelo teu testemunho e pela tua presença.
Escreves excelentemente em português!

Beijinho

Lídia Cachetas disse...

Tony, tu fazes sempre um óptimo trabalho em prol de todos os doentes, da minha parte só tenho que te agradecer tudo o que já fizestes por mim e o quanto me vais ajudando. Muito Obrigado, seria tão bom que todos colaborassem nos esforços que fazemos uns pelos outros... Vamos lá! como diz a Paulita, marchar, marchar!!! Bjosss

Tony Madureira disse...

Lídia,

Nunca fiz nada por ti. Tu é que ajudas, e muito.
A Paulinha é uma querida, está connosco desde o primeiro dia, é uma grande mulher!

Tony Madureira disse...

Bom dia,

Este vídeo mostra o que é a violência no assédio moral, agora imaginem numa doente com Lúpus…

Que acham?

Assediados disse...

Tony,
Gratos por sua visita e pela divulgação do blog "Assediados".
São posturas como a sua, que fazem do mundo um lugar melhor.
Um forte abraço

Assediados

Tony Madureira disse...

Olá,

Nada têm para agradecer. É uma obrigação de todos nós denunciar este fenómeno.
Fazem um trabalho extraordinário. Parabéns pelo vosso blog!

Aquele abraço

Paula Ferreira disse...

Como dizes tony é uma obrigação ...
Se todos contribuirmos um pouco fica mais facil ....

Tony Madureira disse...

Estes abusos tanto são ascendentes como laterais, ou seja, vem dos chefes e também dos colegas. Por isso, cuidado com os colegas de trabalho. Alguns, em vez de denunciarem são coniventes, colaboram neste fenómeno. É precioso estar atento!

Cris Costa disse...

Bom dia!

Sou brasileira, mas a distancia de um oceano não foi suficiente para não identificar-me com os comentários. Obrigada por publicar, informar e principalmente dar espaço para que troca de experiencias e dores.

Tony Madureira disse...

Olá Cris,

Obrigado pela visita e pelo teu comentário. Nada para agradecer. É o dever de todos nós!
Fico aguardar novas visitas tuas.

Beijo

Isa disse...

Olá Tony e a todos, não tenho tido muitas oportunidades para comentar, mas hoje decidi por a leitura em dia... este post infelizmente é sentido por muita gente e eu não me excluo... embora não seja sistemático, mas de vez em quando lá vem umas "bocas" mais infelizes... mas adiante. A divulgação deveria ser feita a nível nacional, há tanto trabalho para fazer, tanto para divulgar e há outra coisa que deveria mudar: as mentalidades mesquinhas que existem em todo o lado, este sim é o nosso pequeno grande problema e mais dificil resolver. Mais uma vez parabens ao blog Tony... beijinhos a todos

Flávia disse...

Olá Toni, passeando pelo seu blog encontrei mais este excelente post. Senti bem na pele o que é o assédio moral no trabalho, mas muitas vezes, o maior assédio é silencioso. Engana-se quem acha que assédio é verbalmente agredir ou humilhar alguém, mas simplesmente exigir das pessoas além de suas capacidades físicas ou psicológicas. É uma forma covarde de se matar ou adoecer uma pessoa aos poucos. Obtive a convicção disto, quando um dos reumatologistas que ajudaram no meu diagnóstico (enviarei meu depoimento em breve) me disse algo muito simples: Flávia, o corpo da gente não sabe o que é chefe dificil, contas para pagar, prazos para cumprir. O que o corpo entende são as consequencias, como alteração dos batimentos cardíacos, aumento ou diminuição da pressão alterial, a " dança" dos hormônios que muitas vezes, encontram um ritmo louco que ninguém consegue acompanhar... Muito se fala sobre o malefício do stress na vida das pessoas, mas especificamente para quem tem doenças auto-imunes, pode ser algo devastador, pois ao detectar estas alterações corporais causadas pelo stress, este desencadeia uma resposta imune que como sabemos, em nós lúpicos, pode se tornar fatal... Fica aqui minha mensagem, para que antes de tudo, a gente se respeite e se cuide. Um beijo e saúde, Flávia

Marinilde Carriel dos Santos disse...

Olá caro amigo tony! já disse muitas vezes a admiração que tenho por ti,mais volto a repetir és um marido e ser humano exemplar, suas palavras são muito de bom p/ nos lupicas que infelizmente sofremos tudo que descrevestes.Não tenho vergonha de ser lupica mais esses dias senti na pele o que é você tentar explicar p/ alguém ignorante e egoísta não entendem e acabam machucando ainda mais nos que já somos frágeis. Estou a tirar a minha carta pois preciso p/ ir em muitos médicos, mais tive que trocar de extrutor por ser ofendida por ele, nossa mente se torna mais lenta pela doença e pelos muitos remédios, não sou como era mais demora simular algo e guardar por muito tempo, e tentei explicar p/ ele, ,ais fui ofendida muito. Foi complicado e ainda esta sendo, tudo realmente fica mais difícil.