quinta-feira, 12 de junho de 2008

Relato de Lara

Lara valente faz o seu relato, tem 22 anos, e vive numa cidade a Norte de Moçambique



olá Tony,

Sou doente de lúpus a 10 anos , e nesse tempo nos hospitais da minha cidade não tinha nenhum medico k conhecesse a doença por esse motivo fiquei 7 anos fazendo tratamentos errados que contribuíram para que ela se tornasse crónica, nessa cidade sou a única doente d lúpus , sofri mto preconceito porque as lesões são mxmo na face, perde o cabelo por isso usava lenço, e nos braços, bem depois fui a África do sul onde diagnosticaram o lúpus e fiz o tratamento, mas não terminei por falta de fundos, por isso tive de recorrer a tratamentos alternativos k fizeram a cura das feridas deixando apenas cicatrizes mto profundas e notáveis meu cabelo não voltou a crescer e não sei se posso usar algo para remover as cicatrizes, nem se devo, agora eu tenho 22 anos e posso dizer k o me aconteceu foi uma fatalidade e tive uma adolescência mto traumática.
Gostaria de deixar o meu comentário mas não tenho o diagnostico medico, a única coisa k sei e k tenho o lúpus eritimatoso discoide, para ter noção tudo k sei sobre a doença vi no site lupusonline.ca em Moçambique nem nos hospitais temos médicos formados para tratar da doença, por isso kuando existem casos do género as pessoas acreditam ser magia negra, outras acabam descascadas e desenganadas, já soube d mais 2 casos, um na Zambézia e outro no interior da província de Nampula. kero lhe agradecer mais uma vez e espero poder saber mais acerca da doença.
Como disse, sei mto pouco da mha doença , os sintomas ate já esqueci, faz mto tempo, e passei por mtos tratamentos clínicos e alternativos, só sei dizer que interiormente não tenho problemas , e só na pele.Tenho 22 anos de idade, e moro numa cidade ao norte de Moçambique (África) E como disse aqui não temos médicos especializados nessa área, pois só na cidade eu sou a única doente de lúpus. nem se quer um dermatologista temos aki, então cmo n tenho como ir a capital do país eu opto por tratamentos alternativos.

Contacto da Lara:
lara.cvalente@hotmail.com

5 comentários:

Silvia Madureira disse...

Olá Lara:

Deve ser muito complicado viver rodeada de tão pouca informação. Concerteza que vives aí por motivos que desconhecemos ...no entanto as Novas Tecnologias nestes casos têm um papel muito importante ...de facto.

beijo e continuação de boa recuperação

elvira carvalho disse...

É sempre muito complicado viver em sítios onde não se sabe, ou não se tem meios para tratar as doenças. Em 68, eu vim de Nampula para cá por causa de um problema de saúde, que não sabiam qual era e que não conseguiam tratar.
Um abraço à Lara e continuação de recuperação.

Tony Madureira disse...

Olá Lara,

Vejo que um dos grandes problemas que encontras é a falta de informação que existe para resolver os problemas do dia-a-dia

Partilhar toda esta informação presente no blogue é um dos meus objectivos.
Sempre que alguém vai obtendo ajuda, e procura ajudar todos que queiram e precisem, então fico satisfeito.

Deixei o teu contacto no post para assim puderes ser contactada por alguém que possa e queira falar contigo sobre a doença, e não só…


Beijinho solidário

Glaura disse...

Tony, descobri que tenho lúpus há cinco anos, faço tratamento e levo a vida normal. Entretanto estou sendo vítima de preconceito por ser portadora da doença. Estou sendi discriminada e chamada de louca e anormal em decorrência do lúpus, que devo fazer? Que órgão posso procurar que me defenda como uma pessoa normal?
Glaura

Claudia Madureira disse...

Olá Glaura,

Não tens que te sentir, as pessoas que dizem essa palavras não sabem do que estão a falar, são incultas, nãolhas podes dar ouvidos.
Se quiseres enviar o teu relato sobre a tua doença, envio para o e-mail tonymadureira@kanguru.pt, ou claudiamadureria@live.com.pt (esta morada é a minha).
Caso queiras falar mais do assunto fá-lo através do meu-mail.

Espero noticias tuas.

Beijinho