sábado, 10 de maio de 2008

Tributo aos enfermeiros/as - Nurses Tribute

“É Enfermo (infirmus) aquele que perdeu a força, a firmeza.
É Enfermeiro aquele que ajuda a recuperá-la...”

(Fonte : http://www.infirmus.blogspot.com/ )


Sou Enfermeiro e isso acima de tudo é uma filosofia de vida, em que se compila todo o conhecimento adquirido ao longo do Curso, ao longo das experiências de vida, ao longo da ciência...

Não se pense que um Enfermeiro, é um profissional, economicamente RICO, será porventura rico em sentimentos, experiências e sonhos! Sonhos a mais, que se tornam curtos no tempo para planear cuidados, para conversar e Ouvir, para se sentar e Chorar.


Vive-se na era dos números, combate-se a qualidade com os números, reduz-se aos Enfermeiros e espera-se níveis de qualidade. Num internamento coexistem e trabalham muito bem em equipa, Enfermeiros e Médicos, falo dos Primeiros, pois estatisticamente estão mais tempo no Serviço, passam mais tempo com o doente e afinal de contas, só posso descrever algo que conheço.

Perante as estatísticas, o que distingue estes Profissionais? São Enfermeiros, pedem-lhes conselhos, opiniões, que muitas vezes não pedem a outro profissional, estão mais disponíveis, estão presentes, Sentam-se e Ouvem, transmitem a informação a outros Profissionais. Mas como definir o que os números, não alcançam???

São Enfermeiros, estão Cansados, tão cansado às vezes…. Percorrem caminhos de Acumulação de Cargos, quer Familiares, quer profissionais, funcionam a dobrar, dobram os empregos, falta o conforto económico, falta o apoio… São Humanos e quer-se sempre mais, acabam-se os Curso e actualmente acumula-se não o Emprego, mas o Desemprego…

São Enfermeiros e não conseguem quantificar a um Gestor, a força de um toque, uma palavra amiga, um Ensino (…) isso não se Regista é inato à Profissão. Ser Enfermeiro é … Entender a pessoa, com todas as virtudes e defeitos, respeitando o próximo, dando uso a todas as teorias de Psicológicas, Humanistas e Cientificas aprendidas no Curso e fora dele.
Sou Enfermeiro e aprendo, todos os dias na minha profissão, não me roubem o tempo, não me destruam a carreira para dar ênfase aos NUMEROS.

http://enfermagemsu.blogspot.com/2007/02/ser-enfermeiro.html
Ser Enfermeiro é ser humano, com todas as suas dimensões, potencialidades e restrições, alegrias e frustrações; é ser aberto para a vida, e ao mesmo tempo envolver-se no compromisso assumimido com a Enfermagem, com os utentes.
O Enfermeiro ajuda os doentes a superar a doença com conhecimento científico adquirido, mas também com conforto, cuidado e atenção.
Ser Enfermeiro é ser "gente que cuida de gente".
Os Enfermeiros sempre agiram com base em normas, em princípios gerais aceites consensualmente, formando uma organização do seu saber. O conjunto de crenças, valores, expectativas e normas de acção da Enfermagem sempre formaram, em sentido amplo, uma teoria operativa, ou seja, fundamentos da acção, explicação para se realizar ou não, determinadas acções. Dessas normas para a acção, há um caminhar para o seu questionamento e reformulação através da reflexão e da actividade de pesquisa.

http://enfermagem21.blogspot.com/2006/05/ser-enfermeiro.html

Ser enfermeiro é ser em percepções e expressões sensíveis mais ou menos materializáveis. O modo de ser enfermeiro indica suas formas materiais, sensitivas e expressivas, conformadas no tempo, no espaço, nas relações e representando a conjunção do ser e suas percepções/expressões.

http://www.scielo.br/scielo.php?=sci_arttext&pid=S0104-11692004000100008

Nursing has been called the oldest of arts and the youngest of professi. The history of nursing is synonymous with the history of woman. The connotations of the word nurse has changed over the course of history. The words nurse and nursing have many meanings. The word nursing itself is derived from the Latin nutrire "to nourish". The word nurse has its roots in the Latin noun nutrix which means "nursing mother", often referring to a wet nurse (a woman who breast fed the babies of others). The French term nourrice also referred to a woman who suckled a child. The original meaning of the English word was the same and the term first used in English in the 13th century and its spelling underwent many forms, norrice, nurice or nourice,to the present, nurse.

Other dimensions were added to its meaning throughout the evolution of the word - "a woman who cares for and tends to young children". By the 16th century the meanings of the noun included "a person, but usually a woman who waits upon or tends to the sick". Two more components were added during the 19th century "training of those who tend to the sick and carrying out of such duties under direction of a physician".

Women because of maternal instinct were considered "born nurses". The parental instinct, however, is present in both sexes of all races. It is thought that women present a greater degree of this due to their traditional role in the family. Yet the spirit of nursing has no sexual boundaries. Human beings of both sexes have a natural tendency to repond to helplessness or a threat to life from disease or injury (Donahue, 1996).

The role of nurse expanded to care of the sick, infirm, aged, handicapped as well as health promotion. In ancient periods woman cared for her own family. As the evolution of nursing continued she took care of members in her own tribe. With the development of early civilizations nursing began to be performed outside the home.

The development of nursing depended on two additional ingredients: skill and expertise, and knowledge (Donahue, 1996). Emphasis on the necessity of a knowledge base began to emerge as more and more information about diseases and illnesses became available. Nursing had become both an art and a science. The head, the heart, and the hands have united to become modern day nursing's foundation.

Nursing continues to grow and evolve. Nursing is based on society's needs and therefore exists only because of society's need for such a service. It is difficult for nursing to rise above society's expectations, limitations, resources, and culture of the current age.

Donahue, M. Patricia, PhD, RN, FAAN, Nursing The Finest Art - An Illustrated History, 2nd Edition, 1996, Mosby - Yearbook

12 comentários:

Silvia Madureira disse...

Que todos aqueles que trabalham em prol da saude humana possam ser gratificados com o reconhecimento de todos aqueles a quem prestam os seus serviços.

beijo

Andreia disse...

Sem dúvida os enfermeiros são seres humanos fantásticos!
São de uma generosidade extrema, dão o melhor que têm de si para que os doentes se possam sentir pelo menos com o minimo de conforto enquanto têm de estar internados...
Deixo aqui o meu mais sincero agradecimento a todos os enfermeiros que fazem serviço no piso 5 no serviço de reumatologia/gastroenterologia do CHCB (centro hosp. Cova da Beira) que me têm "aturado"... Beijinhos do tamanho do mundo.

já agora se quiserem passem pelo meu novo blog:www.andreia-lupus.blogspot.com

Tony Madureira disse...

Quem tem oportunidade de ver de perto o serviço que os enfermeiros prestam aos doentes, só pode estar agradecido aos mesmos.
A partir do dia 27 de Fevereiro(dia que a Claudia deu entrada no H.G.S.A), que tive oportunidade de verificar o serviço dos enfermeiros da medicina 2 B.
Não só por esse motivo, mas também, decidi prestar este tributo aos enfermeiros neste post.


Cumprimentos

Enfermeira disse...

realmente ser enfermeiro nos dias de hoje nao é facil... limitam-nos o material nos serviços, limitam-nos o numero de profissionais, limitam-nos os salarios e muito provavelmente as horas de qualidade...mesmo assim +e uma profissao única, pois ganhamos muito como pessoas;)

Tony Madureira disse...

Olá,

Obrigado pelo comentário,

Tenho grande admiração pelos enfermeiros.
Quando acompanhei diariamente a Claudia no HGSA durante dois meses e meio apercebi-me do quanto é importante o seu trabalho.

Bem Hajam!

ci disse...

Adoro o que faço...e sou feliz assim...

beijo da ci

Tony Madureira disse...

Parabéns!!



Beijinho

Lifepassenger disse...

Obrigado pela citação :) . Espero que o Ano de 2009 seja bom e cheio de sucessos.

Um abraço de ambos do Cogitare

Filipe Fernandes disse...

Quero apenas deixar aqui o meu muito obrigado pelo tributo aos Enfermeiros. São estes "rebuçados" que nos dão força para continuar a fazer mais e melhor e nos mostram que apesar de todas as contrariedades que a nossa classe sempre enfrentou e que no momento actual enfrenta mais do que nunca, há ainda quem também saiba "cuidar" de nós! Quer para a Cláudia quer para o Tony o meu sincero Muito Obrigado (acho que falo por toda a equipa da Medicina 2B).
Parabéns pelo vosso blog.

Um abraço amigo.

Marlene Lopezzz disse...

:)Fiquei feliz por ver aqui uma "gota no oceano", quero com isto dizer, que são poucas as pessoas que reconhecem todas estas qualidades num enfermeiro... tenho pena que isso seja assim... a maioria da população não sabe qual é o nosso trabalho, muitas vezes, é no internamento (trabalho num serviço de Medicina Interna), que as próprias pessoas internadas ficam absimadas com aquilo que fazemos, aliás, não paramos um segundo... De facto, são estas pequenas gratificações diárias... que me fazem sorrir e pensar, afinal não escolhi mal a profissão! O meu maior problema é querer mudar o mundo, e consequentemente mentalidades, claro que nem todos estão para isso.. por isso é que me sinto por vezes revoltada... por querer fazer as coisas bem e mudar ainda para me melhor e me meterem uns travões! Obrigado pelo seu tributo aos enfermeiros...

Tony Madureira disse...

Olá Enfermeiro Filipe.

Obrigado pelas suas palvras.
Obrigado pela atenção dedicada à claudia.

Grande abraço para todo pessoal de medicida 2B

Bem hajam!!

Enfermeiro disse...

Excelente texto! Excelente!

Fico contente por ver mais um blog de um colega!