segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Acompanhamento…

Olá a todos (as),

A partir de hoje a Claudia está oficialmente no desemprego. Viu-se “forçada” a abandonar o seu trabalho, rescindir com empresa empregadora.

Ainda há dias publicava no blog dois post’s relacionados com assédio moral:

E mais não digo…

7 comentários:

Juliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Castanheira disse...

Bom dia,
Pelo que li nesta publicação a sua esposa tem duas opções :

1- pode fazer cessar os efeitos do acordo de revogação até ao 7.º dia útil seguinte à data da respectiva celebração, mediante comunicação escrita. Se não for possível assegurar a recepção desta comunicação, o trabalhador deve remetê-la ao empregador, por carta registada com aviso de recepção, no dia útil subsequente ao fim desse prazo. Se ao trabalhador tiverem sido pagas compensações pecuniárias em cumprimento do acordo ou por efeito da cessação do contrato de trabalho, este deve pôr esses valores, na sua totalidade e por qualquer forma, à disposição do empregador. O que atrás se disse não se aplica no caso de haver acordo de revogação do contrato de trabalho devidamente assinado, com assinaturas reconhecidas notarial e presencialmente.

2ª - Enviar uma carta ao Sr. Provedor de Justiça.

Mª Del Carmen Moledo disse...

Infelizmente o assédio moral no lugar de trabalho é algo muito freqüente...
Eu também já comentei sobre um caso que eu conheço: Assédio moral sobre uma colega de trabalho... Varias pessoas decidimos intervir e parecia que tudo se tinha solucionado...
Mas ...Não... Estávamos muito erradas:
Este curso o “assediador” aproveitou que a escola cambiou de pessoa encarregada da direção e que não conhecia a situação vivida no curso passado, para volver a actuar...
Quando a mina amiga S está com os seus alunos no local de trabalho, ele, deixa esse local sem iluminação e mesmo sem calefação... Quando ela entra na escola, ele canta canções depreciativas com letras inventadas por ele para provocá-la e fazer que ela esteja nervosa já durante o dia tudo... E mesmo assobia sempre que se encontram pelos corredores... Como podem imaginar a minha amiga fica alterada já de amanhã, e ainda bem que ela é uma pessoa muito carinhosa, e não faz com que sejam as crianças a sofrer por esta situação injusta... Mas ela sim sofre e muito...
Ela que é minha colega, e também muito boa amiga sempre vem até mim a me contar e eu primeiro tento de acalmá-la e depois tento de que se decida, mais uma vez a denunciar a sua situação ante a direção, pois nem ela nem os alunos podem estar a trabalhar em estas condições...
Pois bem... Ela apresentou uma queixa, e de certeza que pensarão que todo se solucionou... Pois não ... Infelizmente em esta ocasião (ainda) não está nada resolvido...
Vamos aguardar a ver que se passa em esta começo de ano... Mas já digo que vejo a situação difícil de resolver pois a parte “directiva” em esta ocasião, eu acho que está mais a favor da parte contraria... Em fim... Como digo vamos aguardar... E já contarei em outro momento que é o que acontece com esta situação de assedio moral no trabalho!!!
Um beijinho para a Cláudia!!!!

Lídia Cachetas disse...

Estou sem palavras meus queridos... Sei o que é estar em casa e apesar de ser doméstica reformada muitas vezes sinto-me uma inútil por me sentir incapacitada para efectuar muitas tarefas, principalmente com as minhas filhas e a própria vida de casa e ainda sofrer muitas vezes de assédio mural por falta de compreensão. Gente, o meu livro esta demorado, mas esta praticamente pronto! Vamos ter Fé e mais um pouco de paciência e torcer que muita, muita gente o leia. Uma das minhas iniciativas de criar este livro foi terminar com a ridícularização e Deus há-de me ajudar depois de 2 anos de trabalho, esforço e determinação. Tudo com a ajuda preciosa do prof Doutor Carlos Vasconcelos, ajuda dos vossos preciosos 50 depoimentos e os 50 médicos especialistas. Tenho andado à procura de apoios para o livro e até agora so consegui 1 e ñ garantido. Aliás quem me Poder ajudar nesse sentido, eu agradecia muito! Beijinhos fofos Cláudia e coragem!!! Um xi <3
Lídia Cachetas

Lídia Cachetas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isa disse...

Bom dia a todos,
é muito triste sabermos destas situações, fazem sofrer como ninguém imagina, desejo muita força a Claudia e todos aqueles que estejam a passar por esta situação.
Nem sei o que diga mais, sinceramente, ja fiquei triste... enfim.
Beijinhos e força para todos.

Mokinhas disse...

Boa Tarde,
È bastante revoltante saber que existem situações como esta, mas mais uma vez só nos demonstra a pequenez das pessoas :(
Muita força e coragem Cláudia.
Bjs.